quinta-feira, 12 de março de 2020

Covid-19

Ando a evitar falar nisto. Porque azar atrai azar, e derrotismo atrai derrotismo.

Portugal andou semanas a ver o que se passava na China, no sofá e sem grande dor. Tremeu quando se falou em Itália e no Irão, agir é que ficou para depois, aliás, ainda hoje com mais de 70 casos confirmados, agir é coisa que ainda fica para amanhã, ou rectificando, talvez para a semana, ou para a outra quem sabe.

A norte, tudo a norte e o resto do país a achar que o nosso norte é tão logo como a china (salvo seja, que isto é mais expressão que outra coisa - já que a porcaria do vírus vem mesmo de lá.). Casos suspeitos tudo para norte, ou para a zona litoral do médio Tejo. Ok. 

Estávamos preparados com toda a comodidade do mundo, que só Portugal no meio da sua própria evolução acha que tem. Até aparecer o primeiro caso - que vá, lá se respirou de alivio, afinal o pequeno da Europa também tinha categoria para arcar com um cóvid. Daqui não passa. Banhados por todo o lado, daqui não passa.

Hospitais de campanha no meio da rua.

Gente! O covid mata, mas há cura calma, pessoas com idades médias, com uma vida mais saudável e um sistema imunológico sem fragilidades curam-se, então há que proteger aqueles que não estão aí incluídos, certo? Eu espanto-me como é que se marcam reuniões para decidir se as escolas fecham ou não (???), se há casos nas instituições onde é que está a dúvida? 

Centro-centro e centro-este, nada, não há casos e que assim se mantenha, mas há os doidinhos do 8 ao 80, que ora se riem, porque lá está, é norte e o nosso norte fica na china de tão longe que é, e há ou doidos que só sabem é falar "ai Jesus que morre tudo". Lançaram o boato na segunda-feira de que haviam 2 casos confirmados na capital do meu concelho, pânico, depois desmentiu-se, ontem falaram num holandês, vindo da Holanda e confirmado com o covid-19, na minha freguesia, queira-se ou não, uma pessoa respira fundo e pensa "e agora?".

O part-time que tenho obriga-me a estar com pessoas, um dos pais dessas pessoas é de um grupo especial de intervenção da protecção civil, esperei por ele ontem e fiz questão de o abordar em particular. Questionei sobre a noticia de supostas confirmações, nada, zero. Nem no concelho nem no distrito, não há casos, nem sequer dúvidas e para ficar descansada que assim que houvesse que todos saberíamos de fonte segura. 

Ele disse ainda:

- O covid tem cura;
- Apesar de muito transmissível trata-se como qualquer outro surto, embora condicionados a ambiente próprio;
- A informação tem de ser passada de modo a informar e não a criar medo nas pessoas;
- Não há razões para lavar as mãos de 15 em 15 minutos se ainda não há confirmação de casos na comunidade em redor;
- Saber exactamente quais os sintomas, pois em doentes crónicos ou mais frágeis, os sintomas manifestam-se muito antes desses tipos 14 dias de incubação, é actuar logo, LOGO!

Se eu não vou confiar nele, formado e preparado todos os dias nestes âmbitos, vou confiar em quem? Acreditei e vou sossegar.
Calma.

Eu sei, pode parecer que é tudo lindo mas há pessoas a morrer. Eu sei. E estou completamente contra o sistema. Embora com este texto não pareça, mas estou.

Mas olhemos, sabemos que há países onde andam (as próprias famílias ou mesmo os médicos) a escolher quem tratam e quem deixam morrer, e cá vamos todos para a praia? Mas somos todos burros ou acham que o sol amanha não nasce de novo? Agora podem ler aqui um palavrão começado por "F"!

Juro, não nos percebo. Palermas que põem em risco uma nacionalidade inteira, andam a fazer o quê na escola? não sabem o significado de quarentena e de pandemia? E estes pais, sabem o que é uma bofetada ou isso é tão arcaico que já não se usa mais na educação? Gente do caraças.

4 comentários:

  1. Não consigo ter calma nenhuma, isto é um desastre mundial. E os nossos meios de comunicação parecem uns analfabetos que nem carteira profissional mereciam ter, é tudo para assustar ainda mais as populações

    ResponderEliminar
  2. Aqui no Rio de Janeiro, todos estão preparando-se para um surto em mais ou menos 3/4 semanas (afirma-se que serão em torno de 10.000 infectados, com 25% disso precisando de leitos de cuidado intensivo).
    Provavelmente as escolas serão paralisadas na próxima segunda-feira. Já existem planos para mandar as pessoas trabalhar em casa (a maior parte dos órgãos públicos deve adotar home office amanhã ou mesmo segunda-feira). Resta saber como as empresas privadas irão reagir a isso...
    Por enquanto, contudo, a maior parte das pessoas demonstra estar calma. Veremos até quando esta "calma" se sustentará.
    Boa sorte aí na terrinha! Forte amplexo!
    Procurador Pão Duro (procuradorpaoduro.blogspot.com)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atualizando: decreto de ontem, do Governador do Rio de Janeiro, suspendeu todas as atividades escolares, ou com aglomerações (teatro, cinema, shows, etc.) por 15 dias. Disse inclusive que poderá colocar a polícia nas praias para evitar aglomerações. Os meios de comunicação insistem na questão do isolamento, mas tenho para mim que as pessoas não estão levando isso muito a sério. No Brasil, até agora, 98 casos confirmados. No RJ, 19, afirmando-se que já há transmissão comunitária.
      Quando tiver novidades posto-as aqui.
      Forte amplexo a todos!
      Procurador Pão Duro (procuradorpaoduro.blogspot.com)

      Eliminar
  3. Começo também a ficar preocupada, mas há que manter a calma. Estou mais alerta pela minha mãe e avô, admito.
    A minha irmã está no Norte, preocupa-me, mas é nova... A ver vamos.

    Mas também acho que só estão a criar o pânico. Eu tenho que vir trabalhar, lido com várias pessoas, apesar de não ter contacto directo..

    Mas por causa das outras pessoas, tenho eu/nós que andar a redobrar cuidados, a gastar dinheiro em compras que não preciso, porque está a acabar tudo.

    Enfim, vamos lá ver cenas dos próximos episódios.

    Beijocas

    ResponderEliminar

Mealheiro (pelas mãos da Cláudia)

Hoje trago-vos uma novidade, que para muitos já não o é porque conhecem a Cláudia do blog " Eu também tenho um blog ", ela tem jei...