quinta-feira, 17 de outubro de 2019

"- O meu pai é engenheiro"


- O meu pai é engenheiro.

Estava na fila do banco. Há dias impossíveis e parece que tudo é um atraso, isso ou as pessoas decidiram todas ter uma agenda muito igual à minha naquela manhã.
Tive de aguardar a minha vez e enquanto isso encostei-me na zona dos envidraçados a ver a rua. Estava uma manhã quase a lembrar o inverno. 

Ao fundo nos bancos estava uma senhora com a filhota, talvez uns 4/5 anos, a conversar com (supus) uma vizinha. A certa altura, a notar que a criança estava meio deslocada, a vizinha questiona a menina,

- Então e o pai?
- O pai saiu tãaaaaao cedo que nem o vi hoje.
- Então e onde é que ele anda a trabalhar, sabes?
- Sei, o meu pai é engenheiro
- Parece-me difícil
- Mas olha, não é um engenheiro qualquer não
- ai não?
- Não, o meu pai é engenheiro mas um engenheiro civil
- (risos entre as senhoras)
a conversa continuou, sobre a escolinha dela, sobre as tarefas que anda a fazer sobre o outono, sobre como o prato favorito da menina é esparguete com almôndegas (???) … ... ...

As crianças extravasam o que o ouvem e daí começam a formar personalidades. Esta criança não faz ideia do que significa, ainda, o pai ser engenheiro, muito menos civil. Compreenderá de certo que é responsável pela edificação, que trabalha com maquinaria, e com obras que pode fisicamente mostrar e dizer "fui eu que fiz". 

Enquanto olhava a rua e me fixei nas palavras dela, entendi, que tal como aquela criança existem milhares de e não só crianças que não sabem o que está por trás de um técnico dessa área. 

Mas tive de sorrir, e não sei se o fiz para fora se para dentro, porque percebi que ela sabia que era algo de extraordinário, porque no fundo ele não era "um engenheiro qualquer não", ele era um engenheiro civil, e nas palavras da menina estava oculto a admiração por aquilo que o pai fazia. Repito, não perceberá a profissão e com certeza o texto dela poderia ser fabricado por conversas que houve entre adultos. Mas o bom profissional nasce desta forma, a ouvir falar, a ver crescer, a ver evoluir, a ouvir a mudança, a ouvir as incongruências, o que corre mal e o que há para fazer.

Fiquei à espera ainda um bom bocado da minha vez e lembrei-me perfeitamente do porquê de ter decidido escolher a profissão que escolhi, não se é só porque sim, é-se porque se vê o extraordinário.

Na minha classe de secundário, todos seguimos áreas diferentes, administração, veterinária, ambiente, civil, informática, bioquímica e gestão. Nem todos trabalhamos nas áreas de estudo, porque nem todos tínhamos no olhar o brilho daquela criança, é que quando se acredita no que se diz, a palavra é atitude.

Por mais crianças que nasçam e cresçam a ouvir  falar sobre trabalho, empenho, dedicação e mudança, para que lá na frente, volvidos os anos da juventude se façam bons profissionais, qua acima da escolha esteja a admiração, porque só assim se pode levantar todos os dias, independentemente da hora, a acreditar que se vai fazer alguma coisa de verdade.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Maravilhoso

As minhas rotinas alteraram-se desde à um mês e meio, não sei até quando. Os meus dias começam mais cedo e têm terminado sensivelmente à mesma hora de sempre. Levantar-me mais cedo permite-me ver o dia iniciar com luz e experiencias diferentes.

Hoje deparei-me com a imagem que se segue. Uma teia de orvalho. (cliquem para aumentar e vejam a simetria. É maravilhoso)




Ao fundo parte do nosso pomar. 
Com as mesmas árvores de sempre, desde que me lembre. 
Também o nevoeiro, muito. 

(Esta teia estava formada num dos varões que temos para estender a roupa no pátio.)

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Autoridade Tributária - com "ela" não se brinca!


Dia 09/10/2019 

Chego a casa às 21:03min mais coisa menos coisa, tinha visto as horas no carro pouco antes de chegar.
Dia longo, portanto.

Na mesa de jantar fica o correio do dia. Tinha uma carta do meu irmão já aberta e conferida por ele e uma para mim.

Autoridade tributária (AT), pensei de imediato que seria o impresso (típico) da entrega de declaração de IRS referente a 2018.

Abri,
Coima de 63,25€ para pagar (sendo 25,00€ de valor de coima e 38,25€ de custas) com prazo legal para contestar por escrito a esta notificação ou me fazer acompanhar por advogado. Mas com a ressalva de que mesmo pagando antecipadamente a coima não era afastada a aplicação de sanções acessórias 😔

- É engano, só pode ser engano.
Primeiro o choque, claro. Depois a racionalidade.

Era finanças, então, entrei na minha página pessoal nas finanças e logo no painel inicial surge a coima de 63,25€ ao estado e uma divida de 6,42€ à Ascendi (dados da divida: valor:3,21€ + valor de encargos 3,21€).

Foi aqui que percebi que a coima em causa estaria associada a uma concessionaria de estrada. Porque na notificação da AT não fazia menção a nenhuma entidade publica ou privada. 

Logo depois, entrei no site da Ascendi, verifiquei que não tinha nada em atraso. Pelos vistos depois de seguir para a AT os pagamentos em atraso (se os houver) deixam de constar na lista de pagamentos na página da concessionária. Portanto, não consegui ver o dia e a estrada que fiz e que pelos vistos ficou por pagar.


Pelo meio da tarde, passei aqui a dizer que andava sem muito para falar, 
à noite a situação era bem diferente.


Será escusado dizer que mal dormi, nem pelo valor em si, mas pela situação, tinha o meu nome e a minha página na AT a vermelho e por uma situação que é do mais evitável que há.

Imaginem só que esta porcaria ia para penhora de ordenados e afins, sem eu saber …

Dia 10/10/2019

Procedo aos pagamentos. 08:45min.

Ligo ao apoio a cliente Acendi, 18:30min. e fico a perceber que a divida se referia a uma portagem no valor de 3,21€ de uma viagem de 07/2017.

Como já fazia registos (oh! a importância dos registos, verifiquei mesmo que não tinha pago. O estranho foi mesmo isso. Como é que não paguei e deixei isto passar em branco? Tenho uma pasta onde guardo a documentação das concessionárias, e não tinha este registo de cobrança.)

Dia 11/10/2019

Com a Autoridade Tributária não se brinca. 

Ainda tenho a página com a situação fiscal em divida, apesar de já ter pago à mais de 24horas.
Recebo uma segunda carta da AT, com a indicação de que a coima aplicada se refere a viagem na estrada x, pelas x horas no dia x/07/2017. Não sei para que perdem tempo a mandar uma segunda carta, esta informação podia perfeitamente constar na carta da aplicação de coima -.-


NOTA:
Com uma brincadeira igual, por 1€ de portagens, um colega meu pagou 295,00€, por ter tentado perceber o que se passava, demorando dias de análise e atraso em pagamento, e em cima da primeira multa (semelhante a esta que paguei no valor de 63,25€) caíram mais 2 multas da AT e num total teve de pagar 295,00€. 
Pois, eu e ele não nos podíamos dar ao luxo de brincar com a AT. E por se falar das coisas sem medo é que eu sei do caso dele e fui pagar de imediato e só depois tentar perceber, de modo a evitar que o bolo crescesse (portanto falem, não tenham problemas de falar de dinheiro, de responsabilidades, DE TUDO). Mas repito, não nos podíamos dar ao luxo de brincar com a AT, mas os grandes nomes da nossa praça brincam e ainda riem. Tudo bem. O que é que eu vou fazer? Se devo tenho de pagar.

Dia 14/10/2019, ho

Situação fiscal regularizada.

Já está tudo ok, na página da AT já surge a informação supra. O que, para mim é uma alivio, quer dizer que a coima se ficou por uma 1ª instancia e não aplicaram mais custos ao processo. Ao contrário do caso do meu colega.

Ao todo esta brincadeira custou 69,67€, não era saldo que estava previsto, mas era saldo que podia pagar e embora me custe (que custa!) enfrentei e paguei de boa, que podia eu fazer, senão isso mesmo(?). Antes nesta brincadeira que em farmácia/medicação, e não não é cliché de quem se balda as coisas e justifica com, "podia ser pior".

Não tenho via verde e não tenciono obter. Eu sei, estes casos não se repetiam, mas não pretendo, quando se justificar adquiro. 

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Palíndromo



* palíndromo: palavra ou número que se lê da mesma maneira nos dois sentidos.



Tenho tido pouco para dizer.


quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Análise Financeria - 3º Trimestre de 2019


JULHO a SETEMBRO de 2019

💰💰💰 

No seguimento das análises feitas no 1.º trimestre e no 2.º trimestre do ano, venho agora deixar referencia ao 3.º trimestre de 2019.
Todas as comparações são feitas a igual período do ano passado/2018.

  • CONTA POUPANÇA
Sobre a conta poupança deixo uma breve análise entre 2017 e 2019, a azul o valor poupando no ano, a laranja o valor acumulado até agora.


A conta foi registada em Julho de 2017, motivo pelo qual não faço distensão entre o que poupei ao longo do ano, com o acumulado. Valor igual.

Nota-se que não estou muito longe do alcançado em 2018, não me parece que vá ser impossível superar-me e bater metas, mas… ainda é cedo para falar.

Comparando a 2018 este ano, entrou em conta +190,10€. Foi o primeiro trimestre do ano em que me consegui superar a 2018. Até aqui ora um mês tinha sido muito bom, ora outro tinha sido péssimo… Lembrando que em Agosto não poupei nada (mas fiz recolha de moedas de 2€ na mesma), em contrapartida Setembro foi apertadíssimo e muito positivo, acabou por compensar. 

  •  MEALHEIRO DE 2€
Consegui 74,00€.
Rúbrica em que consegui melhores resultados, dado que em 2018 juntei 48,00€. Uma diferença de + 26,00€.

Em relação aos trimestre do ano, também foi o primeiro em que consegui superar 2018.

  •  PART-TIME(s)
- Part-time 1: Juntei no total 70,00€. Menos que no 2.º trimestre deste ano (290€), mas houve uma paragem nas férias.

- Part-time 2: Era o part-time de aulas de explicações, deixei de dar em Junho, portanto somei 0€ e vai deixar de ser mencionado, pois não tenciono dar continuidade às aulas este ano lectivo, tal como vos disse aqui

  • COMPARAÇÃO DE GASTOS
- Combustível: -6,68€ que em relação a 2018. Tenho mesmo tentado poupar no carro, é pouca a diferença mas é um principio. 

- Farmácia: +32,59€ que em relação a 2018. Acreditem, não fazia ideia de ter gasto tanto. Daí a importância de anotar mesmo os gastos por categoria. Comecei a usar champô de farmácia também, então encareceu os custos já habituais, no entanto já encontrei uma página online que vende mais barato, vou passar a comprar lá. É mesmo muita diferença!

- Telemóvel: - 52,86€ que em relação a 2018. Ou seja, OPTIMO! Já descrevi o processo de reajustar o meu tarifário, aqui, então a poupança deste trimestre foi significativa, 52,86€. Já no trimestre passado o tinha sido.

  • OUTROS ENCARGOS (sem comparação)
- Operadora de tv/telf./telm/net: 178,96€
- Gás: 51,60€


CONCLUÍNDO:
Entrámos, ontem, no último e 4º trimestre do ano. É o mais difícil, pelo menos para mim, por ser final de ano e emocional e energeticamente estar mais desgasta e cansada das lutas até aqui. Por ser um trimestre em que tenho vários aniversários na família. Por ser natal e passagem de ano. Veremos como correm as coisas, estou muito perto de bater a meta de 2019, mas nada é garantido. 

Vou dando notícias 😉

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Finalizar #9

Resultado de imagem para setembro

É bom chegar aqui.
Setembro foi, nem sei bem, passando devagar. Foi de alguns esforços extras e de novos recomeços. Iniciou-se o outono e termina numa segunda fria, mas com o último trimestre a espreitar para se iniciar já amanhã.
Obrigada Setembro. nem sei bem pelo quê. Até 2020.

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Ontem

Ontem

Era meio da tarde, numa conversa de circunstância com um dos elementos da administração da empresa onde trabalho surgiu a frase "nós acabamos por fazer o que vemos e aprendemos em casa". 

Estávamos a falar das eleições, e de algumas situações no concelho, que não sendo de morte, boas também não o são. Estendemos-nos a falar do tempo de Salazar, António de Oliveira de Salazar. (Não o conheci, não posso falar por experiência própria, nem pela dos meus pais, mas quem me dera o meu avô, António Antunes, em vida neste momento, para me falar de alguns tempos vividos.) E continuámos por outros assuntos relacionados, ou nem tanto, à politica. Falámos também sobre a economia da altura (e em como esta zona, ainda hoje pobre, à época era miserável). Estão a ver a minha cara de contente não estão? Se para mim já é SEMPRE de bom grado que ouço atentamente quem do passado me fala, mais apta à conversa fiquei quando se começou a falar da economia.

"nós acabamos por fazer o que vemos e aprendemos em casa"

Há duas formas de pensar nisto. E foi nelas que me centrei ao longo da condução até a casa.

- SIM, nós acabamos mesmo por agir através dos exemplos que nos são dados.
- NÃO, podemos, depois de conscientes da vida que temos (leia-se idade responsável) decidir se queremos ser iguais, melhores ou piores. 

Em qual das opções se preferem encaixar?

"- O meu pai é engenheiro"

- O meu pai é engenheiro. Estava na fila do banco. Há dias impossíveis e parece que tudo é um atraso, isso ou as pessoas decidiram toda...