quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Investimentos, e as n opções

2018 foi um ano longo no que respeita à poupança, mas nestes dois últimos meses a dinâmica tem mudado para mim.
Comecei por me querer sentir segura a nível financeiro, e é uma luta que já vem de 2017. Todos devíamos começar por aí.
 
1º - Controlo de dívidas, não tinha, mas passei a controlar mensalmente custos anuais, p.e. encargos automóvel.
2º - Criação de um fundo de emergência, não tinha, mas já tenho 😊. Numa conta não à ordem, porem disponível em caso de urgência e a render juro.
3º - Investimentos.
 
E é nos investimentos que tenho andado a perder tempo sempre que posso e daí ter dito que a dinâmica mudou, já me sinto minimente segura para começar a estender as opções. Já percebi o porquê de haver pouca gente a falar disto... Dá trabalho, consome tempo e disposição.
 
Analisar taxas, rentabilidades/prazo, sim que temos investimentos a 3, 6, 9, 12 meses e por aí fora, consome.
Tenho sobretudo analisado opções de baixo risco. Para iniciar tem de ser com os pés firmes. Quando se iniciam estas análises não se podem considerar apenas a rentabilidade e composição do fundo (o montante aplicado é repartido por obrigações, deposito, liquidez...) p.e., existem os custos associados (comissões de gestão/depositário/resgate…) e é importante ter isso em consideração.
 
Algo que me tem deixado intrigada são os seguros de capitalização, são produtos de "poupança" que nos oferecem com o passar do tempo (anos) redução de taxas fiscais. É possível encontrar alguns estudos realizados na internet e até dados pormenorizados de algumas instituições. Infelizmente o banco com que trabalho nem um piu tem online. O próximo passo é ir pessoalmente à instituição e falar com o responsável da delegação sobre as condições desta aplicação neste banco.
 
Interessa-me a possibilidade de ganhar mais com o dinheiro que tenho, de o por a trabalhar para mim e de aumentar o património sem esforço (sempre sem risco), mas até "troco a vista" com a folha excel que já tenho de simulações. É o que faz haver tanta opção. Pena haver pouco dinheiro 😡.

9 comentários:

  1. Não te imaginas a fazer isto? :

    https://www.investirnabolsa.pt/como-investir-no-sp-500/

    (O artigo é um bocado extenso e parece complicado, mas é porque o autor explica os passos todos em detalhe.)

    Isto (bem, algo parecido) será um dos meus (para já 3) pilares de investimento, a partir de Fevereiro ou isso, depois de certa compra informática. (Quero dividir os investimentos/poupanças, de forma a não pôr todos os ovos no mesmo cesto.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá :)
      Vou ler a respeito.
      Não por os ovos todos na mesma cesta também é um dos meus propósitos, daí as diferentes análises

      Obrigada :)

      Eliminar
    2. Já agora, esse fundo de emergência que mencionas, está a render que tipo de juros? Se quiseres dizer, claro. :) Eu ainda pesquisei pouco sobre esse tipo de coisas, já que a ideia que tenho é que os juros são tão baixos (além de inferiores à inflação) que acabam por ser quase indistinguíveis de deixar o dinheiro na conta à ordem. Mas posso, é claro, estar errado...

      Eu, para já, e muito por alto, estou a pensar em dividir os investimentos entre:

      1- acções (fundo s&p 500, e talvez uma ou outra acções individuais, que são mais arriscadas, por isso o investimento será mais modesto)

      2- ETFmatic (ou outro robo-advisor que suporte Portugal, caso apareça algum até lá)

      3- algum tipo de conta de poupança (para servir de "linha de base", já que não espero que renda nada palpável).

      A ideia seria pôr, todos os meses, quantias iguais em cada um dos "sacos" (sem me preocupar com subidas, descidas, etc.), o que, além da diversificação do risco, também permitiria ver (e partilhar) qual das coisas está a render mais (se bem que um ano ou dois são períodos muito curtos para tirar conclusões).

      Mas tudo isto, para já, são só vagas ideias. Mais uns meses e veremos. :)

      Eliminar
    3. A verdade é que não estás muito longe da verdade. Contas "poupança" com o dinheiro a qualquer altura disponível (mesmo que com a condicionante de perda de juros) têm taxas muito baixas. Mas, isso, em qualquer banco. É como acabas por dizer, torna-se indistinguível ter lá o dinheiro ou numa à ordem.
      Ainda assim eu prefiro, não que me faça confusão tê-lo na à ordem, ou que caia em tentação de o gastar, mas é mais por organização.
      É também importante perceber se o juro recairá, depois do prazo definido, sobre o valor de constituição da conta e funcionará de ano a ano (se for esse o prazo "contratado"), ou se o juro é sobre o valor de abertura mais os depósitos realizados ao longo "desse ano".

      ETFmatic não é uma plataforma britânica? o brexit não condicionará a coisa?

      Parece que tens tudo muito bem definido para a próxima fase :)

      Eliminar
    4. Eles estão registados no Reino Unido, sim, mas já disseram que têm "planos de contingência" para o caso de um "Brexit duro" (possivelmente registar empresa noutro país europeu). De resto... vamos ver.

      Eliminar
  2. O problema dos fundos de investimento, é que se não tem risco, os juros que ganhas são baixíssimos!
    O meu marido criou um PPR com um risco de nível 2 e está a perder dinheiro, e o risco não é alto....
    Eles hoje em dia pouco dão.

    Informa-te mesmo bem. Quase que chega a ser tudo engodo.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, é esse o meu medo. As hipóteses que tenho andado a considerar estão também, ao momento, catalogadas como sendo de risco tipo 2. A questão é que gostava de investir para ganhar, mesmo sem risco. Porque Portugal já teve essas opções, dinheiro seguro a render bom dinheiro.

      Pena que tudo se adapte com o tempo, caímos na crise e não há ninguém que retire esta mentalidade. E eu até percebo, porque sou a primeira a querer convidar muito boa gente a vir aqui, ao interior, ver como se vive e em que condições… mas pronto.

      Obrigada pela partilha,
      beijinho

      Eliminar
  3. Os seguros de capitalização no meu banco são um engodo, ou então era eu que tinha muita espectativa, alem de que esperar 8 anos para ter os benefícios fiscais parece longínquo, ou no mínimo esperar 5 ou +. Resultará para quem quer aplicar sem fazer intenção mesmo de o usar.

    bjs, Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marta,
      Pois, esse é o meu medo, que seja engodo para aplicações e rentabilidade 0. Porque da informação online que retirei os benefícios fiscais são a prazo e se for para ter o dinheiro apenas 2, 3 anos esses benefícios são logo perdidos… mas também não sei com que taxas trabalha o meu banco.
      Tenho mesmo de me informar.

      Obrigada

      Eliminar

Noticias

"Em comparação com 2018, em que a retenção se iniciava nos rendimentos mensais a partir de 632 euros , em 2019, por via da atualização...