segunda-feira, 13 de junho de 2022

Género do Bebé

Nasci sozinha, na sala de pré-parto. Pela força da minha mãe, agoniada e angustiada de dores e sozinha. 

Uma senhora de etnia cigana decidiu fugir do hospital após o parto com o seu bebé, e tudo se mobilizou a encontra-la. Desligaram a campainha de emergência à minha mãe e disseram-lhe " a sua bebé não é para agora ". Mas fui, ninguém a ouviu gritar e pedir ajuda. A prioridade era outra mãe e outro bebé que nunca soube se chegaram a ser encontrados.

Quando abordaram a minha mãe já eu lá estava, nascida, a chorar e com o cordão umbilical em volta do pescoço, as primeiras palavras que a minha mãe ouviu foram: "teve muita sorte, a sua menina é muito pequenina, se fosse maior tinha sufocado no cordão".
Valeram-lhe a elas, enfermeiras, as dores da minha mãe que a impossibilitaram de pronunciar fosse o que fosse naquela hora. Mas sorte? chamar de sorte no meio do azar que teve de falta de assistência e cuidado é um contrassenso, embora a desgraça pudesse ter sido maior sim.

Mas logo ali ela teve a certeza, pela voz das enfermeiras, eu era uma menina, nunca tinha deixado ver em concreto ao longo da gestação. Escondia, houve dúvidas até ao fim.

Espero ter um parto melhor e bem assistido, quanto ao género do meu bebé, já o sei, teve menos vergonha que a mamã e já se apresentou:


É MENINO 💙

4 comentários:

  1. Muitos parabéns pela graça. Que tenha uma hora ( seria tanto?...) tão feliz a tê-lo ... como teve a fazê-lo, rsrsrssr

    O que aconteceu à sua mãe, infelizmente, ainda hoje acontece em muitas maternidades deste País.
    .
    Uma semana feliz.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ricardo :)

      Infelizmente sim, ainda se ouvem aos dias de hoje histórias muito semelhantes :/

      Eliminar
  2. Parabéns. Que nasça em boa hora. Ou seja, uma horinha pequenina 💙
    .
    Emoções esvoaçando no areal...

    Beijos. e uma excelente semana.

    ResponderEliminar

Valores da semana 31

 Gastos: