quinta-feira, 28 de março de 2019

10 razões (pessoais) para juntar/poupar/investir

1.º Pelo gosto de ver os números subir.
 
Ver uma conta de poupança/investimento crescer em número é uma sensação de concretização pessoal muito boa. E foquei-me nisso. Em crescer. Saber que advém do meu esforço e do meu trabalho é igualmente gratificante.

 
2.º Pelo gosto de trabalhar as contas.
 
Algo que já tive sempre habito, mesmo muito antes de pensar em poupar/investir, era o de anotar os meus gastos, mas com esse iniciar, passei a ter um propósito e comecei a gerir a entrada de vencimento e/ou ganhos com part-times mensalmente, sempre a exigir de mim um melhor resultado. Gosto de fazer contas e, vejo-me a fazê-las nas mais diversas situações diárias.
 
 
3.º Cansei-me de ter.
 
A moda do minimalismo está em alta é verdade, não sou de seguir as tendências mas na verdade é mesmo libertador a sensação de se destralhar os espaços. Apercebi-me que entre coleções várias, acessórios, livros, calçado, etc., etc., os meus pertences eram muitos e cansei-me disso. Dava sempre imenso trabalho a limpar, organizar e estimar e acabei por me desfazer de algumas coisas e de incutir em mim a vontade de não me repetir nas compras exageradas.

 
4.º Competitividade. 
 
Entre o meu circulo de amigos tenho de tudo, como creio que existe em todos os laços de amizade. Tenho quem discuta dinheiro, ganhos e perdas com gosto e quem se recuse a falar sobre o tema porque "ele -o dinheiro- não estica".
O meu primeiro "adversário" foi o meu irmão. Pelo histórico de gestão dele, quis atingir algumas metas que ele barrou em determinadas idades.
Atrasei-me em parte, porque ele começou a trabalhar aos 16 anos, e eu comecei mais tarde. Ele sempre teve vencimentos superiores ao meu, mas também fez compras mais caras que eu (carro, por exemplo.)
Declarar guerra de competições nem sempre é negativo.
A nível financeiro ainda não apanhei o meu irmão 😈😈, mas vou seguindo...
 
 
5.º Autonomia.

Ser autónoma e poder ter a oportunidade de gerir a minha vida, e em função disso poder decidir o que me faz menos bem é outra das super-razões para a cada mês que passa juntar/poupar/investir mais.


6.º Ter.

E aqui a questão vai de encontra e contra o que descrevi no ponto 3.
A possibilidade de poder vir a "ter" o que gosto dá-me um conforto extra e acaba por se refletir num desejo de não ter.
Ok, eu explico!
Se há algo que queira muito e não tenho como comprar parece que o meu desejo de ter é ainda maior, se pelo contrário, tenho dinheiro que chega e sobra para a aquisição a necessidade de ter desvanece. Parece parvo, mas comigo acontece.


7.º Ajuda.

Saber que frente a uma possível necessidade de ajuda financeira pessoal ou familiar posso ajudar sem comprometer o mês/meses que decorre(m).


8.º Reflexo.

A partir do momento que se muda a forma de pensar, mudamos a forma de agir. Por arrasto quem nos rodeia fica agregado à nossa forma de estar e isso muda de forma lenta (porque não quiseram mudar "à bruta" como eu) os outros.
Em minha casa sempre se poupou, no entanto há ainda mais cuidado.

O meu irmão mais novo iniciará a vida de trabalho em breve, espero ajudá-lo a ser o melhor que pode ser enquanto profissional e gestor da própria vida.


9.º Vida independente.

Todos sabemos que vivo na casa familiar da minha família. Mas, também todos sabemos, que um dia os filhos voam e, a forma como faço gestão do vencimento mensal ajudar-me-á de certo a ponderar o dia-a-dia numa vida mais independente e com encargos maiores.


10.º Liberdade e Independência Financeira

Pelo objetivo de atingir a liberdade e quem sabe a independência financeira, a prazo (seja curto, médio ou longo).
São dois temas bem distintos, embora andem de braços dados no blogues que falam sobre o tema. A minha análise sobre estes dois conceitos, para os quais já trabalho (liberdade) e poderei vir a trabalhar (independência), ficam para amanhã 😉

8 comentários:

  1. Muito bom! :) Gostei mesmo da lista, e parece-me que estás muito bem encaminhada. :)

    A parte da competitividade é algo que me apela muito (sempre fui bastante competitivo, de uma forma intensa mas amigável, acho que vem dos videojogos), mas infelizmente este é um assunto em que, sobretudo neste país, não dá para fazer grande coisa, por todos os tabus relacionados com dinheiro, a não ser tratando-se de familiares ou amigos muito próximos -- talvez tão próximos que eu, sendo um pouco mais introvertido e privado, não tenho ninguém nesse ponto. E, claro, publicar isso no blog, mesmo com o mini-anonimato que tenho, também estaria fora de questão, até porque não teria outras pessoas (mesmo que também anónimas) com quem me comparar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :)

      Compreendo perfeitamente a parte da competitividade.
      Uso o meu irmão de referencia, mas acabo por me comparar constantemente a blogues brasileiros.

      A moeda não é a mesma é verdade, mas pela conversão consigo saber como estou posicionada.

      As taxas de rentabilidade não são nem próximas é verdade…

      Mas, acabo por me comparar essencialmente, perante as entradas e "aportes"/poupança. :)

      Eliminar
  2. E parece-me muito bem!
    Eu poupo acima de tudo para cumprir os meus sonhos. :-)

    ResponderEliminar
  3. Cada um terá os seus motivos mas eu identifico-me com quase todos =)
    Os teus motivos são válidos e melhor, estão a dar frutos =)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  4. Muito boa a lista.
    A vida está ficando cara e difícil é sempre bom
    poupar algum dinheiro se conseguir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, o dia-a-dia está a ficar "mais caro", embora ainda nem todos se tenham apercebido.

      Obrigada pela visita :)

      Eliminar

Concluir Maio, resumo do mês

Conforme publicação anterior, tinha em poupança 2.500,00€. Com o inicio de Junho já entrou o novo ordenado em conta e assim pude ver quanto ...