sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Investimentos - RAIZE

Com o iniciar deste ano ficou claro para mim que, poupar por poupar não fazia mais sentido. Defini a minha conta poupança num propósito e num tecto máximo, que penso atingir em Novembro de 2019, tal como vos referi aqui, com uma taxa de juro baixa, baixíssima, mas sinto-me mais segura em saber que perante uma emergência o dinheiro está disponível para resgate fácil.


Com esta definição veio o caminho seguinte, e a inevitável pergunta “o que faço a seguir?”, e o a seguir não viria depois de Novembro, veio sim, desde o momento em que me programei mensalmente para que em Novembro atingisse o objetivo em conta poupança. De modo a poder reforçar a poupança e iniciar um programa de investimentos.

O ano passado já tinha lido sobre a compra de divida publica, pela aquisição de
- certificados de aforro (série E – atual em mercado)
- certificados de tesouro poupança crescimento (a 7 anos)
Ou mesmo a subscrição de seguros de capitalização, que podem ser adquiridos em seguradoras ou instituições bancárias.

Mas estamos a falar de produtos com taxas que não me chamaram de todo à atenção. O valor de investimento tem de ser considerável para se fazer notar o incremento de valor no final do tempo subscrito.


Fui pesquisar sobre possibilidades de investimentos em Portugal e descobri a RAIZE, uma plataforma de investimentos e crédito. Vou tentar um resumo para que se perceba a ideia chave da plataforma:

- A RAIZE disponibiliza a pequenas e médias empresas a oportunidade de solicitar apoio financeiro por crédito. Analisa os dados financeiros da empresa candidata e o valor de empréstimo em causa e depois de verificados diversos fatores o empréstimo é ou não considerado viável. Ou seja, processo idêntico ao de uma instituição bancária!

A partir desse momento entram em causa os investidores, que podem ser qualquer pessoa. O registo da plataforma para investidores é efetuado pelo registo de email e de alguns dados pessoais. Depois do registo, e dado que se houve registo é porque à intenção de investimento, surge um separador com a informação necessária para efetuarmos o carregamento da n/ conta raize para que possamos começar a investir.

A ideia chave da RAIZE é serem as pessoas comuns a ajudar o negócio de pequenas e médias empresas a troca de taxas mais atrativas que as poupanças atuais portuguesas.

À data de hoje, como a procura por parte dos investidores é muito maior que a procura por parte de credito de empresas, a plataforma tem uma opção de investimento automático, denominada Tracker, que depois de ativa faz o trabalho por nós (investidores).

O tracker é ativo a partir de 20€ e é o valor mínimo para se começar a investir, mas pode ser ativo por 50€, 100€, 35€ conforme opção do investidor. O que quer dizer que, sempre que chega uma oportunidade de negócio/crédito de empresas, o tracker vai “correr” a conta dos investidores, “ler” o valor ativo para investimentos, que podem ser os tais 20€, 50€, 100€, 35€…. e candidatar o nosso dinheiro ao empréstimo em causa.

No entanto, é importante perceber que, independentemente do valor com que ativemos o tracker (p.e. 40€) o valor do nosso empréstimo ao crédito pode ser inferior a esse valor (p.e. 16,50€) e isto acontece pelo que já referi anteriormente, a procura por parte dos investidores é muito superior à procura de crédito e então é um género de “oportunidade” que a plataforma dá aos seus investidores de se manterem ativos e com possibilidade de concorrer aos créditos que são disponibilizados.

Li bastante sobre a plataforma antes de decidir que sim, que iria começar a “trabalhar” com a RAIZE, defini um valor de investimento a transferir mensalmente e ativei o tracker com esse valor, não precisei esperar muito, no 2º dia de montante disponível o tracker ativou o meu dinheiro para um empréstimo com taxa a 4,25%. O mapa de pagamentos por parte da empresa ainda não foi disponibilizado pela raize, porque de momento falta efetivar o empréstimo.

Considerações a ter:
- A RAIZE categoriza os créditos por risco, tipo A, B, B+, C, p.e. e o risco acresce de A em diante.
- A taxa de juro, associada ao risco, varia de crédito para crédito. 
- Depois de ativo o investimento, o retorno é feito mensalmente pelo período contratado de empréstimo, ou seja, o investidor recebe todos os meses uma tranche do dinheiro que emprestou com o incremento do juro.
- A RAIZE reitera na sua diversa documentação que o retorno não é garantido. Quem é que adivinha que uma empresa vai falir? É por isso que é importante analisar as empresas a quem emprestamos o nosso dinheiro. Analisar as receitas e o capital próprio da empresa é já uma “meia segurança”, é disponibilizado na plataforma dados contabilísticos de 2015 a 2017.
(mas o tracker ativa o meu dinheiro em empréstimo automaticamente, como é que posso controlar as análises de risco?? Bom, antecipadamente não pode, dado que o tracker “corre” as nossas contas sem sabermos da existência de um possível empréstimo, mas depois é possível analisar a empresa assim que recebemos a informação de que o tracker foi ativo, não sendo do nosso agrado podemos vender o nosso investimento – mas esta questão ficará para outra publicação, que esta vai longa)
- A possibilidade de investimentos a partir de 20€ abre o leque de oportunidades aos investidores.

Eu não estou a incentivar ninguém a investir na RAIZE, estou apenas a partilhar a minha, para já, experiência na plataforma. Faz sentido para mim, dado que tenho partilhado por aqui, alguns sucessos e insucessos no meu trajecto financeiro. Tenciono aumentar os meus investimentos nesta plataforma e depois quem sabe apostar noutras também.

3 comentários:

  1. Explicaste de uma forma excelente e fiquei com a pulga atrás da orelha.
    Será mesmo fidedigno? Fiquei mesmo super interessada... Ver o que encontro mais pela net.

    Essa parte de fazer uma avaliação da empresa, não se torna difícil se estiver tudo bem delineado, se não, é mesmo um risco do caraças.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Cláudia,
      A raize tem analistas a estudar profundamente as empresas que se candidatam ao pedido de empréstimo.
      Além de que são "controlados" pela cmvm

      "CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários foi criada em Abril de 1991 e tem como missão supervisionar e regular os mercados de instrumentos financeiros, assim como os agentes que neles atuam, promovendo a proteção dos investidores. São também atribuições da CMVM" portanto, fiquei mais descansada.

      Garantias a 100% não temos, por isso é importante não investir logo muito dinheiro e estudar os dados disponibilizados pela raize assim que recebemos a indicacao de que o nosso dinheiro foi ativo para um empréstimo, porque aí passamos a ter logo acesso aos dados da empresa na nossa página privada de investidor. Se os dados não te demostrarem interesse, podes vender o valor que o tracker automaticamente te reserva da tua conta para aquele empréstimo. E olha que com tanto investidor ativo, acredito que seja facil vender.

      Mas se tiveres alguma duvida concreta podes contactar o departamento de apoio deles, são celeres nas respostas e muito esclarecedores.

      Beijinhos, resto de bom domingo 😊

      Eliminar
  2. Ah, então é esta a plataforma. :) Já tinha ouvido falar, mas confesso que ainda não investiguei. Talvez no futuro invista alguma coisa aqui, para diversificar mais os investimentos.

    De qualquer forma, ou não estou a ver bem a coisa, ou isto não acaba por ter um risco *maior* do que investir num index fund de S&P 500 ou coisa parecida? Este pode baixar ou subir, mas nunca "morre", e, historicamente, todas as descidas são temporárias, enquanto um empréstimo corre sempre o risco de não ser pago...

    Não estou a criticar de forma alguma a tua escolha, OK? :) Como disse, também penso experimentar no futuro.

    ResponderEliminar

Da vida (atualização)

Bom, por onde começar? Isto hoje é capaz de ficar tudo baralhado, já não vos escrevo à muito tempo (2meses praticamente) e vou dar-vos as úl...